Olhares

Olhares

Leia abaixo três poemas de Olhares, de Naiana Magalhães:

 

Entreabertas línguas

fugazes os desejos

deslizando suores.

Nos olhares descontínuos,

vagando sob a superfície

úmida. Derramando molhado

nas pernas, o ritmo frenético

estancando sussurros.

 

***

 

 

A chuva fiel desaba em gotas

Detalhes envolvidos à casualidade brincante

Encontrar o prazer quente,

O vento que toca os seios

Os olhos sapateiam sem direção

Seus dedos desfilam em minha passarela.

 

***

 

 

A natureza lúdica

de meus olhos

frios,

desperta a boneca de teus seios.

Eternizo lágrimas

que resistem ao

calor de tua

morbidez

reflito a imagem de palavras mortas

suspirar é como aquele sorriso sem

graça.

A cada passo que faço é um desvio de mim

mesma. O lixo de teus sonhos me faz morrer.

 

  • Sobre a autora:

    Naiana Magalhães, ou Naná Magalhães, nasceu em Salvador, 35 anos, escritora, cozinheira e mãe. No meio disso tudo, nasceu a Libidinosa, uma espécie de fragmento meu, que é apenas escritora. Fragmentada e difícil de descrever, acredito que todos nós somos muitos dentro nós, na palavra busco um ritmo uma estética da minha resistência enquanto este ser feminino que sou, sem amarras ou acordos sociais, na poesia encontro esse espaço de liberdade.

  • Informações do produto

    Capa comum: 95 páginas

    Formato: 14cm x 21cm

    Editora Libertinagem: 1ª edição.

    São Paulo, 2021

R$ 35,00Preço